domingo, 19 de novembro de 2017

EU ME BASTO!

É absurdo você pensar que eu tentei uma aproximação quando na realidade eu quis continuar próxima da sua família, achei que tinha ficado claro meu interesse. Quando você perguntou no quarto como a gente ficaria nessa historia da praia, te disse que não precisávamos nos tratar como inimigos, a gente só tinha acabado a relação.

Mais uma vez você não acreditou. Mais uma vez você não acredito nas minhas palavras, que estava sendo tão claras. Eu realmente sinto muito por você pensar assim! E só hoje eu pude perceber que infelizmente eu preciso me afastar da sua família para que você não pense que estou querendo ficar próxima de você.

Acho que você ainda não quis entender que eu não consigo confiar ou acreditar em você. Eu não quero essa relação sob hipótese nenhuma, dentro de nenhum contexto. Eu não vou me ferir por você nem por mais ninguém nessa vida. E o que esse fim de relação tem que mostrado é que eu posso segurar a barra sozinha!

Eu espero que você entenda e respeite. Eu espero muito! Eu sei que posso ser uma pessoa melhor e dentro da nossa relação eu nunca tive essa oportunidade. Eu não sou uma louca ciúme que vasculha o celular do companheiro, eu não sou essa obsessiva, eu fui me metendo numa relação de mentiras com um cara que não tinha coragem de assumir nada. E infelizmente me vi tomando atitudes horríveis!

Terapia nenhuma iria resolver a dor que eu trazia dentro da relação, terapia ou confissão nenhuma iria resolver a falta de confiança que eu sentia! Não foi por falta de terapia, foi por falta de carácter da tua parte!

Eu sinto muito que tudo tenha acabado assim, mas pra mim essa historia já acabou a muito tempo. E não sentir ciúmes de você, é um sentimento bom: e nesse momento, eu me basto!


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

femismo é revolução




Eu sou aquilo que ninguém mais acredita
Eu sou a puta, eu sou a santa e a banida
Sou a bravura e os surtos de Anita Garibaldi
Bandeira baixa ou bandeira que agita

Sou como rua e becos podres da cidade
Eu sou os filhos mal paridos da nação
Sou a coragem até no grito dum covarde
O que não basta, não se estende, eu sou um furacão

Você vai lembrar quando eu te olhar lá de cima
Vai reconhecer e vai respeitar minhas cinzas


Música: Mulamba - Mulamba

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

o óbvio!

São tantas coisas ao mesmo tempo que seria até difícil saber como me sinto. Nas últimas semanas acabei levando muitos banhos de água fria, ou melhor dizendo, banho de água com gelo nesse tempo de inverno. Não anda nada fácil por aqui.

O que anda segurando é o remédio psiquiátrico, terapia toda semana e um grupo terapêutico semanal. Mesmo com tantas ferramentas, ainda é osso. E bem duro de roer.

Eu já não sei se é decepção, magoa, raiva, despreço. Eu já nem consigo distinguir nada. Eu achava que pelo combo intercambio-trabalho de campo, meu semestre ia ser bem agitado, mas pelo visto, ele vai ser agitado ao quadrado.

A coisa anda tão tensa que meu orientador de dissertação mandou mensagem domingo passado às 21hrs perguntando como vai meu coraçãozinho. Tive a cara de pau de responder só 3 dias depois dizendo que nos últimos dias tinham sido difíceis e que estava indo para casa de praia me refugir e avançar na dissertação.

Obvio que não foi mentira a parte da casa de praia, obvio que não foi mentira que avancei na dissertação, obvio que continuo na merda.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

A Louca!

"No começo, eu não compreendia como eu podia ser essa personagem tão comentada e que tem tantas faces. Essa personagem de novela, de comercial, que é chacota entre os amigos, que nenhuma mulher no mundo quer ser: a louca.

Os motivos que te mostram que você está louca são os mais variados possíveis. Falar alto em público a minha opinião sobre determinado assunto me fez virar a louca que fala alto demais. Meu olhar de reprovação para o comentário machista do meu namorado me fez ser a louca que vê problema em tudo. Minha inquietação ao ver uma amiga sendo assediada na balada me fez ser a típica louca histérica, dessas que empurra o cara sem noção que chega pegando e é olhada por todo mundo da balada como uma pessoa horrível.

(...)

Dizem que loucos têm momentos de lucidez. Talvez esse seja o meu. Talvez eu não fosse louca, no final de tudo. Talvez eu só fosse ingênua de acreditar que um cara qualquer podia me colocar dentro dessa caixinha.

Caí em mim: minha personalidade, que você chamava de loucura, fica. Sua manipulação, baseada no seu ideal de mulher perfeita, sai. E até nunca mais."

Trecho do texto "Ele me fez acreditar que eu era louca!" de Giovana Salles.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

eu te venero

Eu te amei todos os minutos na última hora. Nosso mundo é confuso e eu ainda estou pela metade. Será que é dessa vez que você vai me encarar com serenidade?

Às vezes ainda é difícil acreditar que ainda andamos juntos, outras é impossível caminhar sem tua presença e a dança do bolinho.

Eu te amo e te venero, meu pequeno poço de sabedoria

Eu te venero quando você coloca sua cabeça na minha barriga, quando teu cabelo enroladinho me oferece abrigo. Eu te venero quando te consumo com os olhos, te beijo na porta da casa das minhas tias, nas curvas que formam seu corpo.

Sim,
eu te venero!

segunda-feira, 3 de julho de 2017

domingo. 20 horas.

Telefone toca.

- Oi Mãe!
- Filha você faz a compra de mês onde? Encontrei um supermercado onde tudo é mais barato. Lá tem pão, delicioso, por 2 reais, daqueles de caixa, imagina só.

Estamos na mesma cidade.
É, acho que virei adulta. Não tem jeito!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

relacionamento abusivo além das tapas e socos

"O agressor te olha nos olhos e te convence de que quer te dar tanto amor, que você seria uma burra se fosse embora. Ele está arrependido, e a culpa da coisa acabar não vai ser dele porque te machucou, vai ser sua porque não foi capaz de perdoar e tentar de novo. Não importa quantas vezes isso se repita. 

(...) Ele absorve o melhor de você, e você o pior dele. De repente é ele quem gosta do seu vinho preferido e é você que se pega violando a privacidade dele e vasculhando o celular. O agressor te prende porque sabe que é um tesouro e não quer que ninguém mais o tenha. Perde o ar só de imaginar que alguém, que não ele, poderia receber o seu carinho e merecê-lo. Te diz que é seu pra que seja dele. Mas a verdade é que é um relacionamento de uma pessoa só. Um cuida do outro, o outro não cuida do um.

(...) O agressor te faz sentir pena dele por ser descontrolado, antes que você sequer tenha tempo de sentir algo por si mesma."

terça-feira, 28 de março de 2017

viva para acreditar




vista aérea de New York, New Yorkº

ºfoto pessoal, todos os direitos reservados.


Talvez, nada funcionar do jeito que voce planejou seja exatamente o jeito certo.


sábado, 25 de fevereiro de 2017

Recife está dentro de mim

Eu acordei na sexta-feira, 24 de fevereiro, sabendo da importância do dia. Eu estava me preparando emocionalmente a meses  para aquele período. Eu estaria tão longe de onde eu gostaria de estar, que fui ajudando meu corpo e meu psicológico a entender que seria apenas por um momento.

Pois bem, sexta feira chegou, tentei fazer minhas atividades normais... Mas chegou momento que ˜bummm˜ e eu já não aguentava mais. O relógio batia 15:30 mas em Recife já estava 20:30.

Peguei o celular, busquei no YouTube Carnaval de Recife ao vivo e encontrei. Que felicidade. Eu estava esperando tanto por esse momento! Emparelhei com a televisão e a abertura carnaval estava passando na minha sala ao vivo!

Mesmo com todos os casacos que cobriam meu corpo, eu estava pulando e suando como louca. Os tambores, a negritude, o Marco Zero de tantas experiências estava tão longe e tão perto ao mesmo tempo. Saíram lágrimas do rosto de emoção, felicidade e muita saudade, claro.

Fiz um café enquanto assistia. Que imagem louca. Recife deveria está com 40 graus naquele lugar e eu com um café, toda coberta e 16 graus. Que loucura.

Infelizmente tive que seguir o dia e as atividades sabendo que em algum momento eu iria voltar para aquela energia. Seriam pelo menos 8 horas de transmissão, e lógico que eu voltaria para aproveitar.

E voltei algumas horas depois com cerveja, o termômetro marcando 8 graus e o coração nas alturas! Felicidade e saudade num mesmo corpo. Recife, eu te amo!

Sábado de carnaval, 25 de fevereiro, eu possivelmente iria para as ladeiras de Olinda, mas a distância de quase 10mil km é realmente dura. E bem, eu ainda tenho um artigo para entregar nas próximas horas...

Frevo n 1.
Ô ô ô saudade
Saudade tão grande
Saudade que eu sinto
Do Clube das Pás, do Vassouras
Passistas traçando tesouras
Nas ruas repletas de lá
Batidas de bombos
São maracatus retardados
Chegando à cidade, cansados,
Com seus estandartes no ar.
Que adianta se o Recife está longe
E a saudade é tão grande
Que eu até me embaraço
Parece que eu vejo
Valfrido Cebola no passo
Haroldo Fatias, Colaço
Recife está perto de mim.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

sapatão


Oi gente, tudo bem?


Então, outro dia me chamaram de sapatão, imagina só... Eu, a pessoa que se classifica como todas as cores do arco-iris, é chamada de sapatão pois a pessoa achava que ia me ofender.

Podem chamar de sapatão, hétero, bi... Não é ofensa não viu? Podem usar o termo que quiser, não ofende hahahah E sapatao eh um termo que eu ate gosto muito! Acho super adoravel.

*Que um dia a gente seja livre para ser quem quiser e não precise de classificações. E que um dia as pessoas deixem de ficar se metendo na vida dos outros. Amém!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

LGBTTT+


"Eu não quero que meu filho seja gay!"
Eu rebato essa frase com:

Eu não quero que meu filho precise esconder sua sexualidade por ter uma família que não o respeita. Eu não quero que minha filha ache que não existe formas de se proteger quando transa com sua namorada e não busque alternativa e que fique vulnerável as doenças sexualmente transmissíveis. Eu não quero que meu filho seja mais um número nas estatísticas. Eu não quero que minha filha seja piada nos almoços de família porque não apresentou nenhum namorado homem-cis. Eu não quero que meu filho seja morto numa boate porque só pode beijar seu namorado em locais privado com a bandeira LGBTTT+ na porta. Eu não quero que minha filha me apresente sua namorada como amiga porque tem medo da minha reação. Eu não quero que meu filho tenha medo da sua família; Eu não quero que minha filha fique exposta aos olhares estranho da sociedade e ache que é normal ser julgada. Não podemos, e não devemos, naturalizar julgamento!



Eu quero que meus filhos sejam livres para aproveitar a vida da melhor forma possível, sem medo, sem receio e sabendo que beijar uma pessoa do mesmo sexo que ele/a não é vergonha para sua mãe.

Se depender de mim: meus filhos nunca saíram do armário pois eles nunca vão precisar se esconder em um!

sábado, 21 de janeiro de 2017

10 menos 3

- te amo
- te amo mais.




Não é sobre chegar no topo do mundo
E saber que venceu
É sobre escalar e sentir
Que o caminho te fortaleceu

(..)

A gente não pode ter tudo
Qual seria a graça do mundo se fosse assim?
Por isso, eu prefiro sorrisos
E os presentes que a vida trouxe
Pra perto de mim

Música Trem-Bala de Ana Vilela

sábado, 14 de janeiro de 2017

Amélia e seu feminismo cego. Vamos problematizar?


Sempre fui muito puta com esse feminismo leigo de internet. Já escrevi diversos textos sobre isso, mas é incrível como as mulheres continuam me surpreendendo. Vamos logo esclarecendo algumas coisas antes de continuar.

 Feminismo é um movimento política criado por mulheres para lutar a favor dos direitos igualitários, já que historicamente as mulheres eram vistas como 1) mão de obra barata para fábricas, 2) corpo que gera um filho para o homem e 3) empregada doméstica do marido. Ao longo dos anos o feminismo passou por três fases (ou "olas" para os academicistas de plantão) e suas histórias e seus objetivos foram mudando ao longo do percurso. Então, dizer que é feminista sem conhecer pelo menos o conceito e história, pra mim é a maior merda que uma pessoa pode fazer.

Hoje, na internet pelo menos, dizer que é feminista é muito louvável. Porém as práticas machista no dia a dia continuam prevalecendo. "Mas Sara essas pessoas estão aprendendo sobre feminismo ainda!" Veja bem, uma coisa é aprender e buscar, outra beeeem diferente é abraçar uma modinha pé de chinelo e continuar com os comportamentos que claramente (se você estudou e buscou vai saber) que o feminismo critica. Por exemplo: vangloriar e favorecer uma pessoa pelo fato de ser macho.

Atualmente estou convivendo com uma pessoa que justifica tudo com "sou feminista" quando na realidade o feminismo aprece de forma distorcida para justificar suas loucuras, porém os comentários são os mais terríveis no dia a dia. Outro dia por exemplo disse "vamos olhar essas sete dicas de como ser uma boa esposa...olha, eu não sou uma boa esposa, ele vai me trair!", ou quando ela diz com frequência "ele vai chegar cansado do trabalho, eu preciso organizar nosso quarto e fazer sua comida". Em nenhum momento existe uma parceria da parte desse casal. Em nenhum momento. Ela é a Amélia, ele leva dinheiro para eles e ela, que um dia foi independente financeiramente, depois do casamento largou tudo para investir no marido (palavras dela!).

"Mas feminismo não é isso" disse eu num dia que estava cheia de tanta besteira, e sua resposta foi "no feminismo a mulher pode fazer o que quiser", pra mim isso é liberdade de QUALQUER SER HUMANO, mas pra ela é feminismo. Adianta entrar num discussão com um ser humano desses? Não adianta!

Se você acha que esse é um caso em particular, possivelmente ninguém nesse mundo tem coragem de compartilhar sua vida com você. Convenhamos, o mundo é cheio de Amélias pagando de feminista!

Sou feminista, estudo sobre feminismo, mas não me identifico com essa moda de feminismo de internet. Eu acho que: se você tem facebook ou blog para pagar de feminista, tem tempo de buscar uns textinhos sobre o assunto.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

coração vermelho



"Ontem conversava com um amigo, que é revoltado como eu..." disse meu tio, no almoço de uma segunda-feira quente em Recife. Conversamos por horas sobre a política brasileira e mundial depois de muitos meses sem nos encontrarmos.

Chegar em Recife é renovar as energias. É falar de política enquanto tomo uma cerveja com as amigas ou na mesa do café da manhã com meu primo. FORA TEMER! Chegar em Recife é escutar música de raízes africanas e ao fundo um monumento de um negro - escravo - quebrando as correntes. Onde mais eu poderia me sentir tão em casa?

Chegar em Recife é participar do mesmo evento que um ex-namorado tocava - depois de quase 10 anos sem nos encontrarmos - e lembrar com muito carinho de toda nossa história. "Você deveria participar com a gente!" disse antes que eu fosse embora.

Chegar em Recife... é chegar em casa sem medo.
Chegar em Recife é escutar meu idioma na boca de todo mundo e ficar orgulhosa do sotaque.
Chegar em Recife...é recordar os bons momentos mesmo sabendo que eles nunca vão voltar.
Chegar em Recife é uma eterna mistura de sentimentos.

"¿Qué culpa tengo yo de tener la sangre roja y el corazón a la izquierda?"

sábado, 7 de janeiro de 2017

teu rio, teu meio

Olinda continua linda, com suas ladeiras coloridas, a Skol quente e à noite de sábado que ainda nem começou. O cheiro continua igual, a ânsia pelo Carnaval sentimos em cada passo. O bloco na rua anuncia alguma comemoração enquanto eu aproveito da arquitetura. Os quatro cantos cheio de gente, a Praça do Carmo com seu maracatu... Talvez a saudade que invadia tanto meu peito tenha diminuído com tantos sons.

O cheiro de urina e o medo ao passar às 21horas na ponte que leva a Livraria Cultura continuam iguais. Recife. Tomar uma cerveja na Rua da Moeda nunca foi tão nostálgico. Entre o sol da Boa Vista e um café, eu penso como fui maquiando minha cidade. Recife, com essa beleza política e a gente nesses conflitos?! Como te explicar? Como te desenhar?


Recife. 2017. *todos os direitos reservados.

Te desenho a partir do Mercado da Boa Vista, com um copo de cerveja na mão, agradecendo por você permanecer no mesmo lugar. Tuas avenidas, tuas pontes, teus rios. Existe uma vontade de ficar e um desejo de ir. E ficar é nesse sentimento louco que jamais ninguém vai explicar.

Recife, você fudeu meu coração!